Pesquisar Assuntos Neste Blog

O Essencial




Face ao inevitável processo de crescimento do Eu profundo, a vida assume características variadas, e as oportunidades se deparam convidativas, acenan­do com a libertação, que somente se consegue a pe­nosos esforços.
Na fase inicial da predominância egocêntrica, o ser projeta-se no mundo com o qual se identifica, apri­sionando-se no emaranhado das coisas exteriores, sob conflitos que não tem condições de administrar, qua­se sempre desequilibrando-se e passando a estados neuróticos de insatisfação, ansiedade, medo ou a alu­cinações variadas.
O apego, essa fixação perturbadora à imperma­nência, a que pretende dar perenidade, constitui-lhe a meta existencial.
Mais tarde, em tentativas de desvencilhamento da situação psicológica infantil, avança para a posi­ção egoísta, cultivando os valores pessoais, narcisis­tas, com os quais se engolfa, despertando na amargu­ra, sob os camartelos do tempo degenerador e da frus­tração tormentosa.
O essencial, quase sempre, permanece-lhe em plano secundário na paisagem psicológica das aspi­rações conflitivas.
        À medida que amadurece, transfere-se das coisas e prisões egóicas para a conquista da sua realidade: o desenvolvimento do Eu profundo que deve predominar comandando os anelos e programas de libertação.
Somente a consciência de si propiciar-lhe-á a vi­são diferenciadora dos fenômenos perturbadores, em relação àqueloutros de plenificação.
Buscando interpretar, De Ropp classificou os níveis de consciência em cinco estági­os: consciência de sono sem sonhos; de sono com so­nho; de sono acordado; de transcendência do eu e de consciência cósmica...
Para ele, o homem evolve de maneira inespera­da, às vezes, de um para outro nível, especialmente nos dois primeiros estágios de adormecimento...
Mediante psicoterapia acurada e exercícios cui­dadosos, logra-se o avanço pelos diversos patamares, até a etapa final, que se torna de difícil verbalização face às emoções e descobrimentos conseguidos, nes­se momento de perfeita integração com o que podería­mos chamar o Logos, o pensamento divino.
No primeiro nível — quando se transita no sono sem sonhos — apenas os fenômenos orgânicos automáticos se exteriorizam, assim mesmo sem o conhecimento da consciência, tais: respiração, digestão, reprodução, circulação sanguínea...
Como se estivesse anestesiada, ela não tem ação lúcida sobre os acontecimentos em torno da própria existência, e a ausência de vontade do indivíduo con­tribui para o seu trânsito lento do instinto aos pródro­mos da razão.
No segundo nível, o sono com sonhos, ele libera clichês e lentamente incorpora-os à realidade, pas­sando pelas fases dramáticas — os pesadelos, os pa­vores — para os da libído — ação dos estímulos sexuais — e os reveladores — que dizem respeito à parcial liber­tação do Espírito quando o corpo está em repouso...
O desenvolvimento da consciência atinge o ter­ceiro nível, o de sono acordado, no qual a determina­ção pessoal, aliada à vontade, conduz o ser aos ideais de enobrecimento, à descoberta da finalidade da sua existência, às aspirações do que lhe é essencial, ao auto-encontro, à realização total.
Naturalmente, a partir daí, ascende ao quarto es­tado, que é a descoberta da transcendência do eu, a identificação consigo mesmo, com a conseqüente li­beração do Eu profundo, realizando a harmonia ínti­ma com os ideais superiores, seu real objetivo psico­lógico existencial.
A superação dos conflitos, das angústias, a desi­dentificação dos conteúdos psicológicos afugentes, permitem a iluminação, e a próxima é a meta da vin­culação com a consciência cósmica.
Nem sempre, porém, o homem e a mulher conse­guem alcançar esse nível ideal, fenômeno que, não obstante, será realizado através das reencarnações que lhes facultarão a vitória sobre os carmas negati­vos e, mediante as leis de causa e efeito, passo a pas­so, em esforço contínuo poderão fazê-lo.
Da mesma forma, a reencarnação aclara a carto­grafia da consciência de De Ropp, quando ele analisa os níveis que diferenciam os indivíduos na imensa mole humana.
As experiências acumuladas promovem ou retêm o indivíduo nos fenômenos decorrentes das ações praticadas, beneficiando-os ou afligindo-os com as sombras que lhes permanecem dominadoras, na con­dição de resíduos espirituais. A consciência filtra-os e, por não os poder digerir, transforma-os em conflitos, perturbações, estados psicopatológicos, requerendo terapias especializadas e contínuas.
Em qualquer nível, porém, a partir do sono com sonhos, a vontade desempenha um papel relevante, impulsionando o ser a novas realizações e conquistas completadoras que enriquecem o arsenal psicológico, amadurecendo o essencial à vida e selecionando-o do amontoado egóico do supérfluo.
Psicoterapeuta Excepcional com a Sua visão rea­lista e criativa, Jesus definiu a necessidade de bus­car-se primeiro o reino dos Céus, pois que esse fanal ensejaria a conquista de todas as outras coisas. E ób­vio que, ao se adquirir o essencial, todas as coisas perdem o significado, por se encontrarem destituídas de valor face ao que somente é fundamental. Outros­sim, alertou sobre o imperativo de fazer-se ao próximo o que se gostaria que este lhe fizesse, fixando no amor o processo de libertação, na ação edificante o meio de crescimento e na oração fortalecedora a energia que proporciona o desiderato.
Esse desempenho favorece a perfeita identifica­ção do sentimento com o conhecimento, resultando na conquista do Eu profundo em sintonia com a Cons­ciência Cósmica.



O SER CONSCIENTE - Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis


Leia mais

Tolerância e Politica






          Diante da acerbação de algumas pessoas   ao qual tenho tido a oportunidade de observar, em meios aos devaneios atrelados as suas supostas convicções de verdades; muitas vezes em detrimento do que postam  os outrens.
          Percebo que as pessoas estão muito irritadas e intolerantes.  Não sabem respeitar o direito de democracia de cada um e ao mesmo tempo  não tem a prudência de tecer comentários relevantes. Se irritam fácil, se magoam, se chateiam, não aceitam seus comentários serem questionados sem ter que baixar o nível de educação. Convictos de que estão certos, ficam taquicardícos, hipertensos, e perdem o equilíbrio quando não convencem. Animosidade a flor da pele, ira, e tantos outros sentimentos anti fraterno os levam ao mal humor.
          Na perspicácia  da sutileza das trevas; sim, Trevas mesmo! Porque toda essa energia negativa de baixaria não tem nada haver com Deus. Os tarefeiros  da escuridão, vão aproveitando esses momentos para manipular as pessoas.  E Estamos sendo sutilmente obsidiados, sendo fantoches quando nos desequilibramos ao acreditar defender ideologias politicas. Porque na ânsia  desesperada de mudanças rápidas e extremas, perdemos o foco da razão e tolerância, da sanidade e equilíbrio, discernimento e prudencia, e muitas vezes ao cruzar com essas pessoas, os sentimentos já são outros com energias mais grosseiras. Em alguns casos, ferimos afetos, rompemos amizades ou externamos a violência para fora das redes sociais.
            Direitos, deveres e livre arbítrio andam paralelos. Todos temos o  direito a livre expressão, e o dever de ser tolerante  , de não ofender e de respeitar a opinião do outro, mesmo quando diverge dos nossos ideais ou principalmente quando o que acreditamos defender em detrimento de uma causa, na maioria dos casos é puro  achismo.
          Fiquemos alertas com as sugestões das trevas mascarada de simples comentários em redes sociais. Observemo-nos como estava nosso comportamento com algumas pessoas, antes e agora.  Discernimento e racionalidade sempre. Tolerância continua. ..
       A política passa e as amizades as vezes podem ser desfeitas  . E nas próximas eleições, esses partidos  poderão  estar ambos como aliados.
      E você como estará?



Moura Fé
Leia mais

NASCIMENTO DA CONSCIÊNCIA




Antropológica e historicamente, a sobrevivência equili­brada do homem e da sociedade tem estado sempre vincula­da à ideia de um mito central, no qual se haurem os valores éticos de sustentação das suas atividades e do seu equilíbrio. Toda vez em que fatores adversos interferem nos mitos hu­manos, desacreditando aquele que sintetiza as suas aspira­ções, os homens se encaminham para o caos e se agridem e se perturbam, parecendo haver perdido o rumo.
Passada a tempestade, os seus remanescentes, não des­truídos in totum, emergem, dando surgimento a uma nova ideação, e um mito criativo aparece preenchendo a lacuna deixada pelo anterior.
No estado atual da sociedade existe a carência de um mito predominante, que aglutine todas as mentes, sobre elas der­ramando as suas benesses e confortando-as.
A perda do mito expõe os conteúdos psíquicos, que alte­ram os objetivos das suas necessidades, fazendo-os mergu­lhar no vazio ou no desinteresse, no prazer ou na alucinação do poder.
Em se considerando que nenhum desses objetivos pleni­fica o indivíduo, ele passa a disputar a necessidade abrangen­te do despertar da consciência, interpretando os mitos meno­res nele jacentes.
Jung, em uma análise profunda, estabeleceu que “a exis­tência só é real quando é consciente para alguém”, afirmando a necessidade que o Criador possui em relação ao homem consciente.
Oportunamente, voltou a esclarecer que “a tarefa do homem é (...) conscientizar-se dos conteúdos que pressio­nam para cima, vindos do inconsciente”. Esse despertar e cres­cimento da consciência, ainda segundo o eminente psicana­lista, termina por afetar-lhe também o inconsciente.
É obvio que, se os conteúdos psíquicos emergentes for­mam a consciência, as contribuições atuais desta se irão in­corporar ao inconsciente que surgirá mais tarde.
Deste modo, o nascimento da consciência se opera medi­ante a conjunção dos contrários, como decorrência de uma variada gama de conteúdos psíquicos, que formam as impres­sões arquetípicas ao fazerem contato com o ego, dando sur­gimento à sua substância psíquica e tornando todo esse tra­balho um processo de individuação.
Daí surgem os discernimentos entre as coisas opostas, o eu e o não-eu, o ego e o inconsciente, o sujeito e o objeto, a própria pessoa e a outra. Dando campo aos conflitos, este sentimento que enfrenta e contesta torna-se uma forma alta­mente criativa de luta, cuja vitória proporciona satisfação, ampliação e aprimoramento da vida.
Sem essa dualidade dos opostos, que leva à reflexão, no processo de individuação, não há aumento real de consciên­cia, que somente se opera entrando em contato com os opos­tos e os absorvendo.
A consciência, do ponto de vista filosófico, é “um atribu­to altamente desenvolvido na espécie humana e que se carac­teriza por uma oposição básica, essencial. E o atributo pelo qual o homem toma em relação ao mundo — bem como aos denominados estados interiores e subjetivos — a distância em que se cria a possibilidade de níveis mais altos de integra­ção...
Por sua vez, declara, ainda, Jung, a consciência é “a rela­ção dos conteúdos psíquicos com o ego, na medida em que essa relação é percebida como tal, pelo ego”. E conclui que “as relações com o ego que não são percebidas como tal são inconscientes”. Estabelece, ademais, a diferença entre cons­ciência e psique, que esta última “representa a totalidade dos conteúdos psíquicos” e como esses conteúdos, na sua totali­dade, não estão vinculados no ego, tais não são consciência.
Nos mitos centrais de todos os povos, os opostos forma­ram a essência das suas crenças, dos seus conteúdos psíqui­cos geradores da consciência.
Encontramo-los nas religiões da antigüidade oriental e, particularmente, no mito da Criação, no qual, os conflitos da treva e da luz, do bem e do mal são relevantes. O Zoroastris­mo também o ressuscitou e, mais tarde, a alquimia facultou o surgimento da Pedra Filosofal como mediadora dos opostos, do Santo Gral, como depósito que compõe as bases da cons­ciência humana, a se avolumar através dos tempos, dando, desde o início, a idéia das suas várias expressões, tais: a cons­ciência moral, a consciência de fé, a consciência do dever, de justiça, de paz, de amor...
Os equipamentos constitutivos da consciência sutilizam­-se, e adquirem mais amplas percepções que facultam o de­senvolvimento emocional e ético do homem, auxiliando-o na liberação de conflitos.
As heranças atávicas, que se convertem em arquétipos, no inconsciente individual e coletivo dizem respeito às reali­dades do Espírito, em si mesmo responsável pelos resíduos psíquicos, que se transformam nos conteúdos preponderan­tes para a formação da consciência.
O homem deve adquirir o conhecimento para elevar-se do ser bruto, tornando-se o sujeito detentor da consciência. Não lhe bastará conhecer, mas também, viver a experiência de ser o objeto conhecido. Não somente conhecer de fora para dentro, porém, vivenciar o que é conhecido, incorporando-o à sua realidade. Enquanto o ego conhece, o outro passa a ser um objeto detido, conhecido, o que não plenifica. Esta satis­fação advém quando o ego, passando pela vivência do que conhece, torna-se, por sua vez, conhecido pelo outro, que tam­bém tem a função de sujeito conhecedor. O ego adquire, des­se modo, a consciência autêntica, no momento em que é su­jeito que conhece o objeto conhecido.
Indispensável, nesse jogo do conhecer sendo conhecido, que se não crie uma dependência em relação à pessoa que conhece. A vida saudável é a que decorre da liberdade cons­ciente, capaz de enfrentar os obstáculos e dificuldades que se apresentam no relacionamento humano e na própria indivi­dualidade. Esta é a meta que a consciência almeja.



Do livro: O Homem Integral – Divaldo Pereira Franco/Joanna Di Ângelis

Leia mais

ASSIM OS FIZEMOS




Os familiares desagradáveis são hoje o que deles fizemos ontem. Nada acontece por acaso, sem razão, em nossas vidas.
Por isso diz Emmanuel: “Talvez o contato deles agora nos desagrade pela tisna de sombra que já deixamos de ter ou de ser”. Nesta própria existência terrena isso acontece com frequência. Ao nos tornarmos adultos não suportamos as
peraltices das crianças, sem nos lembrarmos das que também já fizemos quando crianças. Ao nos enriquecermos não toleramos os peditórios ou a incapacidade dos parentes pobres, esquecidos do que fazíamos quando necessitados. Ao nos ilustrarmos não suportamos nos outros a ignorância em que ontem vivíamos.
Educamos mal os nossos filhos e muitas vezes os deseducamos a gritos e pancadas. Mas quando eles crescem não suportamos o seu comportamento desrespeitoso, pelo qual somos responsáveis. Não os corrigimos em criança nem os ajudamos na adolescência, mas os fizemos desorientados e depois não os toleramos. Nas vidas sucessivas, através das reencarnações, procedemos também dessa maneira. E quando eles voltam ao nosso convívio não queremos aceitar e muito menos corrigir os seus defeitos.
Na verdade, se não os aceitarmos hoje como são, teremos de aceitá-los amanhã, pois as leis da vida exigem, segundo ensinou Jesus, que nos entendamos com os companheiros “enquanto estivermos a caminho com eles”. A fuga aos deveres atuais será paga mais tarde com os juros devidos. Usando o livre arbítrio podemos rejeitá-los hoje, mas a contabilidade divina anotará o nosso débito para depois, com os acréscimos legais.



Fonte: Na Era do Espírito – Chico Xavier/José Herculano Pires

Leia mais

Casamento e Divórcio







Divórcio, edificação adiada, resto a pagar no balanço do espírito devedor. Isso geralmente porque um dos cônjuges, sócio na firma do casamento, veio a esquecer que os direitos na instituição doméstica somam deveres iguais.

A Doutrina Espírita elucida claramente o problema do lar, definindo responsabilidades e entremostrando os remanescentes do trabalho a fazer, segundo os compromissos anteriores em que marido e mulher assinaram contrato de serviço, antes da reencarnação.

Dois espíritos sob o aguilhão do remorso ou tangidos pelas exigências da evolução, ambos portando necessidades e débitos, combinam encontro ou reencontro no matrimônio, convencidos de que união esponsalícia é, sobretudo, programa de obrigações regenerativas.

Reincorporados, porém, na veste física, se deixam embair pelas ilusões de antigos preconceitos da convenção social humana ou pelas hipnoses do desejo e passam ao território da responsabilidade matrimonial, quais sonâmbulos sorridentes, acreditando em felicidade de fantasia como as crianças admitem a solidez dos pequeninos castelos de papelão.

Surgem, no entanto, as realidades que sacodem a consciência.

Esposo e esposa reconhecem para logo que não são os donos exclusivos da empresa. Sogro e sogra, cunhados e tutores consangüíneos são também sócios comanditários, cobrando os juros do capital afetivo que emprestaram, e os filhos vão aparecendo na feição de interessados no ajuste, reclamando cotas de sacrifício.

O tempo que durante o noivado era todo empregado no montante dos sonhos, passa a ser rigorosamente dividido entre deveres e pagamentos, previsões e apreensões, lutas e disciplinas e os cônjuges desprevenidos de conhecimento elevado, começam a experimentar fadiga e desânimo, quanto mais se lhes torna necessária a confiança recíproca para que o estabelecimento doméstico produza rendimento de valores substanciais em favor do mundo e da vida do espírito.

Descobrem, por fim, que amar não é apenas fantasiar, mas acima de tudo, construir. E construir pede não somente plano e esperança, mas também suor e por vezes aflição e lágrimas.

Auxiliemos, na Terra, a compreensão do casamento como sendo um consórcio de realizações e concessões mútuas, cuja falência é preciso evitar.

Divulguemos o princípio da reencarnação e da responsabilidade individual para que os lares formados atendam à missão a que se destinam.

Compreendamos os irmãos que não puderem evitar o divórcio porquanto ignoramos qual seria a nossa conduta em lugar deles, nos obstáculos e sofrimentos com que foram defrontados, mas interpretemos o matrimônio por sociedade venerável de interesses da alma perante Deus.

* * *
Waldo Vieira - Da obra: Sol nas Almas.
Ditado pelo Espírito André Luiz.




http://www.fraseespirita.com.br
Leia mais

PENSAMENTO E PERISPÍRITO






Portador de expressiva capacidade plasmadora, o perispírito regista todas as ações do Espírito através dos mecanismos sutis da mente que sobre ele age, estabelecendo os futuros parâmetros de comportamento, que serão fixados por automatismos vibratórios nas reencarnações porvindouras.

Corpo intermediário entre o ser pensante, eterno, e os equipamentos físicos, transitórios, por ele se processam as imposições da mente sobre a matéria e os efeitos dela em retomo à causa geratriz.

Captando o impulso do pensamento e computando a resposta da ação, a ele se incorporam os fenômenos da conduta atual do homem, assim programando os sucessos porvindouros, mediante os quais serão aprimoradas as conquistas, corrigidos os erros e reparados os danos destes últimos derivados.

Constituído por campos de forças mui especiais, ele irradia vibrações específicas portadoras de carga própria, que facultam a perfeita sintonia com energias semelhantes, estabelecendo amas de afinidade e repulsão de acordo com as ondas emitidas.

Assim, quando por ocasião da reencarnação o Espírito é encaminhado por necessidade evolutiva aos futuros genitores, no momento da fecundação o gameta masculino vitorioso esteve impulsionado pela energia do perispírito do reencarnante, que naquele espermatozóide encontrou os fatores genéticos de que necessitava para a programática a que se deve submeter.

A partir desse momento, os códigos genéticos da hereditariedade, em consonância com o conteúdo vibratório dos registos perispirituais, vão organizando o corpo que o Espírito habitará.

Como é certo que, em casos especiais, há toda uma elaboração de programa para o reencarnante, na generalidade, os automatismos vibratórios das Leis de Causalidade respondem pela ocorrência, que jamais tem lugar ao acaso.

Todo elemento irradia vibrações que lhe tipificam a espécie e respondem pela sua constituição.

Espermatozóides e óvulos, em conseqüência, possuem campo de força especifico, que propele os primeiros para o encontro com os últimos, facultando o surgimento da célula ovo.

Por sua vez, cada gameta exterioriza ondas que correspondem à sua fatalidade biológica, na programação genética de que se faz portador.

Desse modo, o perispírito do reencarnante sincroniza com a vibração do espermatozóide que possui a mesma carga vibratória, sobre ele incidindo e passando a plasmar no óvulo fecundado o como compatível com as necessidades evolutivas, como decorrência das catalogadas ações pretéritos. Equilíbrio da forma ou anomalia, habilidades e destreza, ou incapacidade, inteligência, memória e lucidez, ou imbecilidade, atraso mental, oligofrenia serão estabelecidos desde já pela incidência das conquistas espirituais sobre o embrião em desenvolvimento.

Sem descartarmos a hereditariedade nos processos da reencarnação, o seu totalitarismo, conforme pretendem diversos estudiosos da Embriogenia e outras áreas da ciência, não tem razão de ser.

Cada Espírito é legatário de ú mesmo. Seus atos e sua vida anterior são os plasmadores da sua nova existência corporal, impondo os processos de reabilitação, quando em dívida, ou de felicidade, se em crédito, sob os critérios da Divina Justiça.

Certamente, caracteres físicos, fisionômicos e até alguns comportamentais resultam das heranças genéticas e da convivência em família, jamais os de natureza psicológica que afetam o destino, ou de ordem fisiológica no mapa da evolução.

Saúde e enfermidade, beleza e feiúra, altura e pequenez, agilidade e retardamento, como outras expressões da vida física, procedem do Espírito que vem recompor e aumentar os valores bem ou mal utilizados nas existências pretéritas.

Além desses, os comportamentos e as manifestações mentais, sexuais, emocionais decorrem dos atos perpetrados antes e que a reencarnação traz de volta para a indispensável canalização em favor do progresso de cada ser.

As alienações, os conflitos e traumas, as doenças congênitas, as deformidades físicas e degenerativas, assim como as condições morais, sociais e econômicas, são capítulos dos mecanismos espirituais, nunca heranças familiares, qual se a vida estivesse sob injunções do absurdo e da inconseqüência.

A aparente hereditariedade compulsória, assim como a injunção moral atuante em determinado indivíduo, fazendo recordar algum ancestral, explica-se em razão de ser aquele mesmo Espírito, ora renascido no clã, para dar prosseguimento a realizações que ficaram incompletas ou refazer as que foram perniciosas. Motivo este que libera "o filho de pagar pelos pais" ou avós, o que constituiria, se verdadeiro, uma terrível e arbitrária imposição da Justiça que, mesmo na Terra, tem código penalógico mais equilibrado.

Os pensamentos largamente cultivados levam o indivíduo a ações inesperadas, como decorrência da adaptação mental que se permitiu. Desencadeada a ação, os efeitos serão incorporados ao modus vivendi posterior da criatura.

E mesmo quando não se convertem em atitudes e realizações por falta de oportunidade, aquelas aspirações mentais, vividas em clima interior, apresentam-se como formas e fantasmas que terão de ser diluídos por meio de reagentes de diferente ordem, para que se restabeleça o equilíbrio do conjunto espiritual.

Conforme a constância mental da idéia, aparece uma correspondente necessidade da emoção.

Todos esses condicionamentos estabelecem o organograma físico, mental e moral da futura empresa reencarnacionista a que o Espírito se deve submeter, ante o fatalismo da evolução.

O conjunto - Espírito ou mente, perispírito ou psicossoma e corpo ou soma - é tão entranhadamente conjugado no processo da reencarnação que, em qualquer período da existência, são articulados ou desfeitos sucessivos equipamentos que procedem da ação de um sobre o outro. O Espírito aspira e o perispírito age sobre os implementos materiais, dando surgimento a respostas orgânicas ou a fatos que retomam à fonte original, como efeito da ação física que o mesmo corpo transfere para o ser eterno, concedendo-lhe crédito ou débito que se incorpora à economia da vida planetária.

O mundo mental, das aspirações e ideais, é o grande agente modelador do mundo físico, orgânico. Conforme as propostas daquele, têm lugar as manifestações neste.

Assim se compreende porque a Terra é mundo de "provas e expiações", considerando-se que os Espíritos que nela habitam estagiam na sua grande generalidade em faixas iniciais, inferiores, portanto, da evolução.

À medida que o ser evolve, melhores condições estatui para o próprio crescimento, dentro do mesmo critério da lei do progresso, que realiza com mais segurança os mecanismos de desenvolvimento, de acordo com as conquistas logradas. Quanto mais adiantado um povo, mais fáceis e variados são-lhe os recursos para o seu avanço.

O pensamento, desse modo, é um agente de grave significado no processo natural da vida, representando o grau de elevação ou inferioridade do Espirito, que, mediante o seu psicossoma ou órgão intermediário, plasma o que lhe é melhor e mais necessário para marchar no rumo da libertação.

Em Temas da Vida e da Morte –FEB

Leia mais

David e Golias




Pequeno pastor David
Em tempos de aflição
Tão valente quanto humilde
Foi salvador da nação

Com uma pedra na funda
E pontaria impecável
Causou mazela profunda
No inimigo implacável

Deus não nos pede proezas
De tão grande precisão
Nem rituais, nem riquezas
Preceito ou religião

Mostra o teu heroísmo
Na luta, todos os dias
Contra o orgulho e egoísmo
São esses o teu Golias

Texto de desenho: Fernando (Esp.)

Leia mais

ELES VIRÃO



ELES VIRÃO


Nos momentos difíceis, detém-te nos afetos inolvidáveis que te precederam na viagem da grande liberação!... Tê-los-ás presentes, ao recordar-lhes os exemplos de bondade e valor com que superaram as horas de tentação e de sacrifício. 

Reencontrarás, sem dificuldade, o ponto de ligação com eles, em algum recanto aparentemente esquecido da memória, no qual ainda vibram as notas do teu cântico de alegria e de gratidão, diante de algum gesto de humanidade e devotamento com que te encorajaram a lealdade e a esperança!...
Lembra-te deles, mas sempre que possível, não lhes peças auxilio para a obtenção de facilidades humanas que não tiveram.

Rearticula-lhes a imagem no pensamento, tal qual os viste, sob a carga das obrigações em que se enobreceram nos testemunhos de fidelidade e trabalho.
Em seguida, roga-lhes inspiração e socorro para que te não falhem as energias no trato com os deveres que a vida te deu a executar.

Solicita-lhes a presença animadora.
Eles virão ao teu encontro e te falarão sem palavras articuladas da ventura que se derrama da consciência tranquila, fortalecendo-te o ânimo sem te furtarem o lugar no banco das provas. 

Não te arrebatarão os pés ao espinho da urze, por saberem que o homem não faz lume na própria alma, sem o vaso da experiência, mas estender-te-ão os braços invisíveis, a te sustentarem as forças, na travessia da vereda escabrosa. 

A pouco e pouco, pelo sem-fio do pensamento, te ensinarão que apenas constroem para o bem, Aqueles que se dispõem a obedecer e te farão sentir que tudo de bom nas sendas da Terra vem dos que se rendem à disciplina, para que a vida se faça melhor. 

Nos instantes de desalento, sobretudo, chama por eles, os amigos cujos olhos físicos a morte selou para abri-los ao sol do Mundo Espiritual e eles virão, por mensageiros de luz, não somente a fim de renovar-te o coração dolorido, mas também para explicar-te que ninguém compra a verdadeira felicidade sem a moeda do amor, lastreada pela riqueza do sofrimento. 

EMMANUEL
(DO LIVRO "NASCER E RENASCER", 22, FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER, EDIÇÃO FEB)
 

HOSPITAL ESPIRITUAL DO MUNDO agradece os irmãos  INSTITUTO ANDRE LUIZ, pela mensagem que iluminou este espaço de aprendizagem e encontros Sagrados. 
Leia mais

SILÊNCIO INTERIOR




A grande problemática-desafio da criatura huma­na é a aquisição da paz.
Empenhando-se na sua conquista, raramente bus­ca e segue os caminhos ideais, capazes de conduzir à sua meta.
Vivendo uma época de conturbação nas diversas áreas, tumultua-se com facilidade, mesmo quando pensa encontrar-se no rumo certo.
Atavicamente amante do ego, apega-se aos va­lores externos, e esse comportamento se torna res­ponsável pelos seus contínuos insucessos.
Desequipada dos instrumentos interiores que a harmonizariam em relação ao próximo e ao Cosmo, exaspera-se com freqüência e desanima diante dos primeiros impedimentos que considera intransponíveis.
Adaptada às conquistas exteriores de fácil logro, abandona os propósitos iniciais de encontrar a paz, deixando a postura de não-violência para unir-se aos beligerantes, embora disfarçando a agressividade. A Terra tem vivido sempre em guerra, e as Na­ções apenas repousam no interregno dos conflitos, saindo de um para outro, sem encontrar o caminho para a preservação da tranqüilidade geral.
A essas guerras violentas sucedem os armistíci­os — que são pequenos períodos de repouso, nos quais os litigantes recuperam as forças para novas lutas —sempre eclodindo focos de destruição decorrentes de motivos injustificáveis e de razões nenhumas, como se os houvesse legítimos para a hediondez das bata­lhas sangrentas.
Tal sucede, porque os indivíduos não têm paz ín­tima.
Desde que não são capazes de se tolerarem reci­procamente em pequenos grupos, não se encontram em condições de respeitar os tratados, por eles mes­mos firmados, os quais apenas escondem-lhes a bru­talidade que passa a ter característica de civilização e cultura.
Como decorrência, a paz mundial ainda é uma utopia, em razão da falta de inteireza moral e pacifica­dora da própria criatura.
Esse fenômeno resulta dos seus apegos egóicos, das suas fantasias douradas, das suas paixões e da sua volúpia pela dominação dos outros.
Apegos morais, emocionais, culturais, pessoais, a objetos, a raças, a grupos sociais, são as fugas do ego arbitrário, ambicioso e louco, responsável pelas disputas lamentáveis que, deterioradas, são os ger­mes das guerras.
Esse estado psicológico, de transferência e proje­ção da sombra da personalidade imatura, é fruto da balbúrdia, dos interesses mesquinhos e múltiplos aos quais se aferra, desajustando-se diante da ordem, da natureza e da vida.
É indispensável uma revisão do comportamento humano, de um estudo profundo a respeito do silên­cio íntimo, assim como da harmonia interior.
A única maneira de lográ-lo, é viajar para dentro de si, domando a mente irrequieta e induzi-la à reflexão, ao autodescobri­mento.
Há quem tema a quietude, porquanto, ao dar-se esta, ocorre a libertação do ego e o ser se ilumina.
Todos somos escravos da mente.
O universo existe em razão daquele que o obser­va, da mente que o analisa, da percepção com que o abarca.
Aquele cuja mente não dispõe de tirocínio e luci­dez, não se dá conta da realidade, que para ele tem outros conteúdos e significados.
Face a tal conduta, fala e produz ruído. É nobre e útil quando se comunica e, no entanto, torna-se gran­dioso se consegue viver em silêncio mental.
Os conteúdos psíquicos em relação ao ego, quan­do captados por este, constituem a consciência lúci­da, e o silêncio torna-se de grande importância para essa conquista.
O silêncio interior é feito de paz e completude, quando o ser compreende o significado da sua vida e a gravidade da sua conduta em relação aos demais membros que formam o Cosmo.
O silêncio interior constitui o grande intermediário da paz, que dessa união advém, por desenvolver na criatura o sentimen­to de amor — por Deus, por si mesmo, pelo próximo —tornando-se este amor o produto alquímico que dilui o ódio, que vence as barreiras impeditivas da frater­nidade e inunda-a com os recursos e conteúdos psí­quicos libertários.
O apego egoísta, superado, cede lugar à genero­sidade, à doação, e o indivíduo, livre de algemas, em silêncio íntimo, empreende a grande experiência de viver o self em harmonia com as Leis da Vida. Isto por­que, o nível mais elevado da consciência, pelo me­nos na graduação humana, é o cósmico, que resul­ta da identificação entre o si e o Universo, mergu­lhando o pensamento em Deus e realizando-se to­talmente.


O SER CONSCIENTE - Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis


Leia mais

LIDAR COM A PERDAS DE ENTES QUERIDOS



LIDAR COM A SEPARAÇÃO

Perda de um ente querido querido. Esta é a expressão usual referente ao coração amado que voltou ao mundo dos espíritos, na dimensão invisível aos nossos olhos de carne. Em geral, esta é uma dor que poucas pessoas sabem e conseguem lidar. Desarvora, desequilibra, desnorteia familiares. A dúvida sobre a imortalidade, o medo de não mais rever o coração amado, o chão que desapareceu sob os pés. E na verdade, ninguém perde ninguém.

A  grande consolação ofertada pelo conhecimento espírita não é resultante de um simples desejo de se ser imortal. Não é uma tentativa pura e simples de aceitar a morte, como, muitas vezes dizem os materialistas. A consolação espírita é resultante da racionalidade e, sobretudo, dos milhões de fatos, alguns que evidenciam a imortalidade, e tantos outros, que provam o prosseguimento da consciência e da individualidade da alma após a sepultura.

Quando esta grande verdade for devidamente entendida, esmiuçada e assimilada, a morte terá perdido sua imagem lúgubre e a saudade não terá mais o peso de um quase desespero. Será uma brisa amena, cheia da doce esperança e suave ansiedade pelo reencontro que se dará, inapelavelmente. Saudade de quem volta à dimensão espiritual é natural. Não existirá, no entanto, qualquer dúvida sobre nossa destinação e compreenderemos que a invisibilidade dos amados não significa ausência.

O espiritismo nos mostra que os entes queridos, muitas vezes, vem nos visitar. Algumas pessoas podem disto ter alguma consciência, seja na saudade mais forte que bate, seja numa lembrança aguda que acontece de repente, seja em alguns sonhos nítidos que temos com eles, sonhos estes diferentes dos chamados sonhos "normais", diríamos assim. 

A razão nos indica que, se tudo o que existe no universo é energia em constante transformação, por que só a criatura humana, com todos os sentimentos e emoções, seria a única energia da vida a desaparecer? Os fatos verificados desde os tempos mais primitivos da humanidade e em todos os povos, e estudados por inúmeros cientistas e homens de saber desde o século 19, comprovam  a veracidade da idéia da imortalidade, intuída nas tribos primitivas de todos os continentes e atestada nas diversas civilizações que a Terra conheceu.

A grande quantidade de depoimentos e casos de presença de espíritos no seio das famílias, em qualquer período da humanidade, é, tambem, um indicativo poderoso dessa realidade transcendente. E fala, claramente, que as almas queridas ( e outras, nem tanto ), nos visitam ou participam em nossas vidas. É uma avalanche de evidências e comprovações, que a mente minimamente organizada não pode ignorar, ficar indiferente.

Neste domingo, pela manhã, a partir das 8: 30 hs, estarei realizando um seminário no "Allan Kardec, na Ilha do Retiro, por trás do estádio do Sport Recife, abordando o tema. E mostrarei como os espíritos quase nos "tocam", respiram lado à lado, rente às nossas experiências comuns, confirmando a perenidade da vida. Lidar com essas separações inevitáveis é fundamental para superar o grande sofrimento que atinge o ser humano pelos caminhos da carne.

Leia mais

OS INIMIGOS INVISÍVEIS DO VOLUNTÁRIO ESPÍRITA




Tenho ouvido muitas pessoas dizerem que com a modernidade acabou com o tempo para o voluntariado espírita. Permitam-me discordar desta explicação, porque o voluntariado nunca esteve tão em moda. A Copa do Mundo e as Olimpíadas do Rio de Janeiro atrairão milhares de voluntários, mesmo que todos saibam o quanto estes eventos arrecadam com publicidade. Quando motivados pela aprendizagem, muitos alunos não se importam em fazer estágios voluntários, certos da importância da experiência que irão adquirir em sua formação.

Outra contradição está dentro do próprio movimento espírita: somos todos voluntários. Dirigimos as casas voluntariamente, dirigimos reuniões voluntariamente, participamos de eventos para arrecadação de fundos voluntariamente (na verdade, até pagamos para participar), aplicamos passes voluntariamente, organizamos cursos e seminários voluntariamente... Nossa história na casa espírita é voluntária, ou seja, fazemos porque temos vontade.

Quando pensamos nos esvaziamentos de diversas atividades das casas, fico pensando qual é a sua razão. Nem sempre as pessoas têm coragem de dizer verdadeiramente por que se afastam de uma atividade voluntária. Evitando conflitos, dão respostas socialmente aceitas, como a famosa “estou sem tempo”. Ouvindo esta frase, o coordenador da equipe a repassa ao dirigente e este começa a teorizar: as pessoas estão sem tempo.

Acho que o voluntariado tem outros inimigos invisíveis, menos discutidos. Um deles é o desencanto. Uma pessoa procura uma atividade imaginando que será o que ela não é. Quantas pessoas pensam que trabalhar com crianças é apenas a alegria de brincar? Quando se apercebem que pode envolver cuidados, lidar com problemas, responsabilidades, exigências... perdem o entusiasmo.

E a rotina? Os grupos vão se preocupando apenas com as tarefas e se esquecem de outras coisas como o encontro, o relacionamento, as comemorações das realizações, a amizade. O voluntário sente-se como um mero trabalhador, com os ônus do trabalho, sem os bônus do encontro.

Outra coisa esquecida é o desenvolvimento do voluntariado, geralmente associado com a rotina. As pessoas não aprendem nada depois de algum tempo. Não conversam sobre o trabalho que fazem e alternativas para aperfeiçoamento. Não participam de cursos, de seminários. Não visitam outros trabalhos semelhantes para ver como realizar melhor. Não são incentivados a apresentar seu trabalho em espaços onde ele seria valorizado e discutido.

Em meio a tanto incentivo à disciplina (necessária, claro), às vezes se esquece do desejo. O que faz as pessoas felizes? Eu preciso ir a uma atividade porque me constranjo a tal ou há algo parecido como a hora de sair com o namorado (a) no trabalho voluntário que faço? Existe alegria no trabalho?

Como se dão as relações no trabalho voluntário? Elas são sempre marcadas pela crítica, muitas vezes imaturas e mal fundamentadas, calcada em estereótipos, ou são relações ricas de afeição e respeito?

Os colegas e coordenadores valorizam o trabalho realizado? Mostram os resultados do que se faz? Partilham as informações e percepções que mostram casos reais de crescimento das pessoas que são auxiliadas pelo trabalho?

Nas dificuldades há apoio? O voluntário tem a quem recorrer, às vezes apenas para desabafar, outras para ouvir quem já passou pelo problema que hora enfrenta? Alguém está disponível nas horas de dificuldades, ou o atendimento fraterno é apenas para o público externo que procura o centro espírita?

E você, que me lê, como voluntário? Como trata seus colegas, coordenadores e público? Que ambiente você cria com suas ações? O que pode melhorar?


Antes de pensar nestas e em outras questões que nos ocorrerão, é difícil aceitar a ideia que a pressa dos tempos modernos faz com que não seja possível contar com voluntários para o que quer que seja. É sempre possível aperfeiçoar o que se faz.


http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/2014/10/os-inimigos-invisiveis-do-voluntario.html

Leia mais

VOTE AQUI

Doutrina Espírita para Principiantes

Loading...
Loading...

Postagens Populares

Isto não é Espiritismo - Frases, Fotos e Luzes

Minha lista de blogs

POST POR ASSUNTOS

a (1) ABORTO (9) ADULTÉRIO (1) ALCOOLISMO (1) Allan Kardec (11) ALMA (2) ANENCEFALIA (5) ANIMAIS (4) ANIMISMO (5) ANJOS (2) ANOREXIA (1) ANSIEDADE (1) APARIÇÕES (4) Artigo (524) AS DORES DA ALMA (12) AS DORES DA ALMA;ORGULHO (1) ÁUDIO E VIDEO (2) BIOGRAFIA (12) BULLYING (2) CALUNIA (4) CÂNCER (1) CARÊNCIA (1) CARIDADE (14) CARNAVAL (4) CASAMENTO (6) CASOS (5) CATARINA DE SIENA (1) CENTRO ESPIRITA (3) CHACRA (1) CHICO XAVIER (243) CIRURGIAS ESPIRITUAIS (6) CIUMES (2) CLONAGEM (1) CONVIVER E MELHORAR (7) CREMAÇÃO (1) CRIANÇA INDIGOS (8) CRIANÇAS (8) CULPA (1) DEPRESSÃO (16) DIALOGO COM AS SOMBRAS (28) DIVALDO FRANCO (145) DIVORCIO (2) DOAÇÃO DE ORGÃOS (1) DOENÇAS (8) DORA INCONTRI (12) DOWNLOAD (5) DUENDES (1) EMMANUEL (67) ENTREVISTA (25) EQM (4) ESPIRITISMO (5) ESPIRITO (26) EUTANÁSIA (4) EVENTO (121) EXILADOS DE CAPELA (2) FAMILIA (26) FANATISMO (3) (2) FEIRA DO LIVRO ESPIRITA (11) FELICIDADE (5) FILHO ADOTIVO (6) FILHOS (22) FILME (36) FINADOS (4) FLUIDO (2) FOTOS (17) GUERRA (2) HOMOSSEXUALIDADE (20) HUMOR (4) INVEJA (2) Joana de Ângelis (100) JORGE HESSEN (24) JORGE HESSEN art (3) LIVRE ARBITRIO (4) LIVRO (57) LIVRO DOS ESPIRITOS (2) LUTO (2) MÃE (3) MÁGOA (5) MALEDICÊNCIA (2) MARILYN MONROE (1) MEDIUM (67) MEDIUNIDADE (83) MELANCOLIA (1) MELINDRE (4) MENSAGEM (375) MESA GIRANTE (2) MÔNICA DE CASTRO (8) MORTE (60) MOURA FÉ (63) MUSICA (6) NILZA AZEVEDO (10) NOTICIAS (236) OBSESSÂO (20) ORGULHO (3) PASCOA (2) PÁSCOA (3) PASSE (9) PEDOFILIA (2) PERDÃO (15) PERISPIRITO (6) PERSONAGEM DA BOA NOVA (6) PINTURA MEDIUNICA (4) POESIA (10) PRECONCEITO (22) PROVAS (13) PSICOGRAFIA (4) QUALIDADE NA PRATICA MEDIUNICA (10) RECOMEÇAR (2) REENCARNAÇÃO (37) REFLEXÃO (104) RELACIONAMENTO (35) RELIGIÃO (1) RENOVANDO ATITUDES (31) S (1) SEMESPI (17) SEXO (14) Síndrome de Down (1) Síndrome do Pânico (1) SOLIDÃO (2) SONAMBULISMO (4) SUICIDIO (11) TATUAGEM (1) TOLERANCIA (3) TÓXICOS (5) TRAGÉDIA (5) TRANSTORNO BIPOLAR (1) TRISTEZA (1) VAIDADE (2) VAMPIRISMO (5) VIAGEM ASTRAL / DESDOBRAMENTO (1) VIDEO (28) VINHA DE LUZ (3) VIOLENCIA (2) ZIBIA GASPARETTO (7)

Visitas Recentes