Pesquisar Assuntos Neste Blog

DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO...




O que separa corações não é a distância,
é a indiferença.
Há pessoas juntas estando separadas por milhares de quilômetros e outras separadas vivendo lado-a-lado.
Muitas vezes nos importamos com o que
acontece no mundo,
nos sensibilizamos e pensamos até em fazer alguma coisa, mas nos esquecemos do que se
passa ao nosso lado, na nossa casa,
na nossa família e mesmo na vizinhança.
Colocamos, sem querer,
barreiras entre os corações que nos cercam.
A indiferença mata lentamente,
anula qualquer sentimento;
e assim criamos distâncias quando estamos
tão próximos.
As pessoas se habituam tanto àquelas que convivem
com elas que elas passam a não notá-las mais,
a não dar mais importância.
Mas, se quisermos transformar o mundo,
comecemos por transformar a nós mesmos.
Se quisermos entrar em combates para melhorar
algo para o futuro,
que esse combate comece dentro da nossa própria casa.
Precisamos olhar os que estão ao nosso lado
sempre com olhos novos.
Comunicar mais,
destruir mais barreiras e construir mais pontes. Precisamos nos dar de coração a coração.
A melhor maneira de acabar com a indiferença de uma pessoa em relação a nós é amá-la.
O amor transforma tudo.
Não permita que pessoas ao seu lado morram de solidão! Não permita que elas sintam-se melhor fora de casa que dentro dela! Dê atenção,
dê do seu próprio tempo! Comunique-se!
Assista menos televisão e converse mais.
Riam juntos.
Há quanto tempo você não diz para a pessoa que
vive ao seu lado que gosta dela?
A gente não recupera tempo perdido.
Mas podemos decidir não perder mais.
Vamos amar os corações que nos cercam e tentar
alcançar novamente aqueles que se distanciaram.
Há sempre tempo para se amar.
E se não houvesse,
o próprio amor seria capaz de inventar.

Letícia Thompson



Leia mais

SEMELHANTES









“E bom que tenhas uma religião

ou alguma crença em particular mas,

mesmo sem elas,

podes sobreviver se sentir amor,

compaixão e tolerância

a prova irrefutável do amor

de uma pessoa a Deus

é o amor pelos semelhantes.”



DALAI LAMA


Leia mais

SE SOUBÉSSEMOS



Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem...”. JESUS, (Lucas, 23:34).

Se o homicida conhecesse, de antemão, o tributo de dor que a vida lhe cobrará, no reajuste do seu destino, preferiria não ter braços para desferir qualquer golpe.

Se o caluniador pudesse eliminar a crosta de sombra que lhe enlouquece a visão, observando o sofrimento que o espera no acerto de contas com a verdade, paralisaria as cordas vocais ou imobilizaria a pena, a fim de não se confiar à acusação descabida.

Se o desertor do bem conseguisse enxergar as perigosas ciladas com que as trevas lhe furtarão o contentamento de viver, deter-se-ia feliz, sob a algemas santificantes dos mais pesados deveres.

Se o ingrato percebesse o fel de amargura que lhe invadirá, mais tarde, o coração, não perpetraria o delito da indiferença.

Se o egoísta contemplasse a solidão infernal que o aguarda, nunca se apartaria da prática infatigável da fraternidade e da cooperação.

Se o glutão enxergasse os desequilíbrios para os quais encaminha o próprio corpo, apressando a marcha para a morte, renderia culto invariável à frugalidade e à harmonia.

Se soubéssemos quão terrível é o resultado de nosso desrespeito às Leis Divinas, jamais nos afastaríamos do caminho reto.

Perdoa, pois, a quem te fere e calunia...

Em verdade, quantos se rendem às sugestões perturbadoras do mal, não sabem o que fazem.

Livro: Fonte Viva, lição 38 – Médium: Chico Xavier - Espírito Emmanuel.


Leia mais

O Caso De Shanti Devi

Shanti Devi, nascido em 1926, foi objecto de especulação toda a sua vida. Em 1985, as questões foram ainda levantadas sobre sua existência em uma edição especial sobre a reencarnação de uma proeminente revista semanal Inglês da Índia. Este consternado me que alguém iria levantar essas dúvidas sem a realização de um estudo adequado. Em fevereiro de 1986, eu tinha ido a Nova Deli para atender Ian Stevenson, o principal especialista em pesquisa de reencarnação, da Universidade de Virgínia. Dr. Stevenson já tinha investigado o caso dela, então eu mostrei a ele o artigo. Poucos dias depois, encontrei Shanti Devi e passou cerca de uma hora e meia com ela. Mais tarde, entrevistei muitas pessoas ligadas ao caso em Delhi, Mathura e Jaipur, incluindo parentes de Shanti Devi nesta vida e de sua vida passada como Lugdi Bai. Eu também examinaram os livros e artigos publicados sobre Shanti Devi ao longo do tempo, além de vários relatórios elaborados sobre ela por eminentes estudiosos. Esta é a sua história, talvez o caso de reencarnação mais famoso da história.

Em janeiro de 18,1902, Chaturbhuj, morador de Mathura, foi abençoada com uma filha, que foi nomeado Lugdi. Quando Lugdi atingido a idade de 10. Ela foi casada com Kedarnath Chaube, um comerciante da mesma localidade. Foi o segundo casamento para Kedarnath, como sua esposa antes tinha morrido.Kedarnath Chaube era dono de uma loja de pano em Mathura e também uma loja filial em Haridwar. Lugdi era muito religioso e tinha ido a vários lugares de peregrinação em uma idade muito jovem. Enquanto por um peregrinação, ela foi ferida na perna para que ela teve que ser tratada em Mathura e, posteriormente, em Agra.
Quando Lugdi ficou grávida pela primeira vez, seu filho foi natimorto após uma cesariana. Para sua segunda gravidez, o marido preocupado a levou para o hospital do governo em Agra, onde nasceu um filho, mais uma vez através de uma cesariana em setembro 25,1925 Nove dias depois, porém, em 04 de outubro, a condição de Lugdi deteriorou e ela morreu às 10 horas
Um ano dez meses e sete dias após a morte de Lugdi, em dezembro 11,1926, Babu Rang Bahadur Mathur de Chirawala Mohulla, uma pequena localidade de Delhi, foi abençoada com uma filha, a quem deram o nome de Shanti Devi. Ela era como qualquer outra garota, exceto que até quatro anos de idade, ela não falou muito. Mas quando ela começou a falar, ela era uma garota diferente - ela falou sobre seu "marido" e seus "filhos".
Ela disse que seu marido estava em Mathura, onde ele era dono de uma loja de pano e eles tiveram um filho. Ela se chamava Chaubine (esposa de Chaube). Os pais consideraram fantasia de uma criança e não tomou conhecimento. Eles se preocupado, no entanto, quando ela falou repetidamente sobre o assunto e, ao longo do tempo, narrou uma série de incidentes relacionados com a sua vida em Mathura com o marido. Em ocasiões nas refeições, ela dizia: "Na minha casa em Mathura, eu comi diferentes tipos de doces." Às vezes, quando a mãe vestia-lhe que ela iria dizer que tipo de vestidos que ela usava. Ela mencionou três características distintas sobre o marido: ele era justo, tinha uma grande verruga na bochecha esquerda, e usava óculos de leitura. Ela também mencionou que a loja de seu marido foi localizado na frente do templo Dwarkadhish.
Por esta altura Shanti Diabo tinha seis anos de idade, e seus pais ficaram perplexos e preocupados por tais declarações. A menina ainda deu um relato detalhado de sua morte após o parto. Eles consultaram o seu médico de família, que estava espantado como uma menina narrou tantos detalhes dos procedimentos cirúrgicos complicados. O mistério, assim, continuou a se aprofundar. Os pais começaram a pensar que essas memórias poderiam ter sido de uma vida passada.
À medida que a menina crescia, ela insistiu em pedir a seus pais para ser levado para Mathura. Ela, no entanto, nunca mencionou o nome de seu marido até a idade de oito ou nove. É costume na Índia que as esposas não pronunciar o nome de seus maridos. Mesmo quando solicitado especificamente, ela corar e dizer que iria reconhecê-lo, se levada para lá, mas não quis dizer o nome dele. Um dia, um parente distante, Babu Bishan Chand, um professor em Ramjas Daryaganj High School, em Delhi, disse Shanti Devi que se ela disse-lhe o nome de seu marido, ele iria levá-la para Mathura. Atraídos por esta oferta, ela sussurrou em seu ano o nome de Pandit Kedarnath Chaube. Bishchand então disse a ela que iria providenciar a viagem para Mathura depois das devidas pergunta. Ele escreveu uma carta para Pandit Kedarnath Chaube, detalhando todas as declarações feitas por Shanti Devi, e pediu-lhe para visitar Delhi.Kedarnath respondeu confirmando a maioria de suas declarações e sugeriu que um de seus parentes, Pandit Kanjimal, que morava em Delhi, será admitida para atender a menina.
Uma reunião com Kanjimal foi arranjado, durante a qual Shanti Devi reconheceu-o como o primo de seu marido. Ela deu alguns detalhes sobre sua casa em Mathura e informou-o do local onde tinha enterrado algum dinheiro.

Quando perguntado se ela poderia ir sozinha a partir da estação de trem para a casa dela em Mathura, ela respondeu afirmativamente, se eles iriam levá-la lá.
Kanjimal ficou tão impressionado que ele foi para Mathura para persuadir Kedarnath para visitar Delhi.Kedarnath veio a Delhi em novembro 12,1935, com o filho de Lugdi Navneet lal e sua atual esposa. Eles foram para a casa de Rang Bahadur no dia seguinte. Para enganar Shanti Devi, Kanjimal introduziu Kedarnath como irmão mais velho deste último. Shanti Devi corou e ficou em um lado. Alguém perguntou por que ela estava corando na frente do irmão mais velho do marido. por que ela estava corando na frente do irmão mais velho do marido. Shanty disse em voz baixa, mas firme: "Não, ele não é o irmão do meu marido. Ele é o meu próprio marido." Em seguida, ela se dirigiu à mãe: "Não te digo que ele é justo e ele tem uma verruga no rosto lado esquerdo perto da sua orelha?"
Ela, então, perguntou a sua mãe para preparar refeições para os convidados. Quando a mãe perguntou o que ela deve se preparar, ela disse que ele foi encontrado de paranthas de batata recheados e abóbora-curry. Kedarnath ficou pasmo, já que estes eram seus pratos favoritos. Então Kdarnath perguntou se ela poderia dizer-lhes qualquer coisa incomum para estabelecer plena confiança nela. Shanti respondeu: "Sim, há um poço no pátio da nossa casa, onde eu costumava tomar meu banho"
Shanti era emocionalmente over-whelmed em ver Navneet, o filho em sua vida anterior. Lágrimas brotaram nos olhos dela quando ela o abraçou. Ela perguntou a sua mãe para trazer todos os seus brinquedos e dar-lhes a Navneet. Mas ela estava muito animado para esperar por sua mãe a agir e correu para trazê-los a si mesma. Kedarnath perguntou como ela havia reconhecido Navneet como seu filho, quando ela o tinha visto apenas uma vez como uma criança antes de ela morrer. Shanti explicou que seu filho era uma parte de sua alma ea alma é capaz de reconhecer facilmente esse fato.
Depois do jantar, Shanti perguntou Kedarnath, "Por que você se casar com ela?" referindo-se a sua atual esposa. "Se não tivéssemos decidido que você não vai se casar de novo?"
Kedarnath não tinha resposta.
Durante a sua estada em Delhi, Kedarnath encontrado comportamento de Shanti Devi semelhante ao de Lugdi de muitas maneiras. Antes de se retirar para a noite, ele pediu para ser autorizado a falar com ela sozinho e disse mais tarde que ele estava plenamente convencido de que Shanti Devi era sua esposa Lugdi Bai porque havia muitas coisas que ela havia mencionado que ninguém, exceto Lugdi poderia ter conhecido.
Shanti Devi ficou chateado antes do retorno de Kedarnath para Mathura em November15. Ela implorou para ser autorizado a ir para Mathura com ele, mas seus pais se recusaram.
Sua história se espalhou por todo o país através da mídia e muitos intelectuais se interessou por ele.Quando Mahatma Gandhi ouviu falar sobre isso, chamou Shanti Devi, conversei com ela e, em seguida, pediu-lhe para ficar em seu ashram. (Quando eu entrevistei Shanti Devi, em 1986, ela ainda se lembrava do incidente.)
Gandhi aconselhável que um comitê constituído para testemunhar a veracidade das reivindicações a menina estava fazendo tão enfaticamente. Logo, um comitê de 15 pessoas proeminentes, incluindo parlamentares, dirigentes nacionais e membros da mídia foi constituída para esta finalidade. O comitê convenceu seus pais a deixá-la a acompanhá-los Mathura. Eles saíram por via férrea com Shanti Devi em novembro 24,1935. O relatório da comissão descreve um pouco do que aconteceu:
"Quando o trem se aproximou de Mathura [sic], tornou-se vermelho de alegria e disse que no momento em que chegaram Mattra [sic] as portas do templo de Dwarkadhish seria fechado. Sua linguagem exata foi:" banda Mandir ke pat Jayenge ho 'tão tipicamente usado em Muttra [sic] ...
"O primeiro incidente que nos chamou a atenção ao chegar Muttra [sic] aconteceu na própria plataforma. A menina estava nos braços de L. Deshbandhu. Ele mal tinha ido 15 passos quando um homem mais velho, vestindo um traje típico Muttra [sic], a quem ela nunca tinha visto antes, entrou na frente dela, misturado a pequena multidão, e fez uma pausa por um tempo. Ela foi perguntado se ela poderia reconhecê-lo. Sua presença reagiu tão rapidamente que ela imediatamente desceu do Sr. Gupta de colo e tocou os pés de estranhos com veneração profunda e ficou de lado. Ao perguntar, ela sussurrou em 'ouvido s que a pessoa era o seu' L.Deshbhandhu Jeth '(irmão mais velho de seu marido). Tudo isso era tão espontâneo e natural que deixou todo mundo atordoado com surpresa. Esse homem era Babu Ram Chaubey, que era realmente o irmão mais velho de Kedarnath Chaubey ".
Os membros da comissão levou em uma tonga, instruir o motorista a seguir suas direções. No caminho, ela descreveu as mudanças que tiveram lugar desde o seu tempo, que estavam todos corretos. Ela reconheceu alguns dos marcos importantes, que ela havia mencionado anteriormente sem ter estado lá.
Ao se aproximarem da casa, ela desceu da tonga e notei uma pessoa idosa no meio da multidão. Ela imediatamente se curvou para ele e disse outro que ele era seu pai-de-lei, e realmente assim foi. Quando chegou à frente de sua casa, ela entrou sem qualquer hesitação e foi capaz de localizar seu quarto. Ela também reconheceu muitas vezes dela. Ela também reconheceu muitos itens dela. Ela foi testada por ser perguntado onde o "Jajroo" (lavatório) era, e ela disse onde estava. Ela foi perguntado o que se entende por "Katora". Ela corretamente disse que isso significava paratha (um tipo de panqueca frita). Ambas as palavras são predominantes apenas em Chaubs de Mathura e nenhum estranho normalmente conhecido deles.
Shanti, então, pediu para ser levado para a outra casa onde ela vivia com Kedarnath por vários anos. Ela guiou o motorista lá sem nenhuma dificuldade. Um dos membros da comissão, Pandit Neki Rama Sharma, perguntei a ela sobre o poço do qual ela tinha falado em Delhi. Ela correu em uma direção; mas, não encontrando um bem ali, ela estava confusa. Mesmo assim, ela disse com alguma convicção de que havia um poço lá. Kedarnath removido uma pedra naquele ponto e, com certeza, eles encontraram um poço.Quanto ao dinheiro enterrado, Shanty diabo tomou o partido para o segundo andar e mostrou-lhes um lugar onde encontraram um vaso, mas não há dinheiro. A menina, no entanto, insistiu que o dinheiro estava lá.Kedarnath mais tarde confessou que havia retirado o dinheiro após a morte de Lugdi.
Quando ela foi levada para casa de seus pais, onde a princípio ela identificou sua tia como sua mãe, mas logo corrigiu seu erro, ela foi se sentar em seu colo. Ela também reconheceu seu pai. A mãe ea filha chorou abertamente na reunião. Foi uma cena, que passou todo mundo lá.
Shanti Devi foi então levado para o templo Dwarkadhish e outros lugares que ela tinha falado de mais cedo e quase todas as suas declarações foram verificadas a ser corretas.
A publicação do relatório da comissão atraiu a atenção mundial. Muitas personalidades aprendidas, incluindo santos, parapsicólogos e filósofos vieram estudar o caso, alguns de apoio e alguns críticos como tentar provar que um embuste.
Um escritor de destaque da época de Saint Nihal Singh expressou o desejo de examiná-lo pessoalmente, e Shanti Devi foi levado para Mathura, mais uma vez, desta vez com nenhuma publicidade. O partido chegou a Mathura em abril 2,1936, ela foi levada para um pequeno jardim que ela tinha falado antes, mas que não tinham sido cobertos na primeira viagem. A maioria das declarações de Shanti Devi foram encontrados correta, embora houvesse algumas discrepâncias. Shanti Devi fez questão de ir até a casa dela. Depois, ela foi levada para Vrindaban, um lugar religioso nas proximidades, onde ela confiantemente identificado lugares diferentes e descreveu alguns dos detalhes, que foram encontrados a contagem com poucas exceções. Por exemplo, ela disse que o chão era de telhas vermelhas e brancas, enquanto na verdade era preto e branco. Foi feito um esforço para confundir, mas ela não caiu na armadilha; para algumas vezes ela estava confusa e duvidosa, mas mais tarde quando se aproximaram, ela foi insistente e estava correta.
Em fevereiro de 1936, um Sr. BC Nahata, racionalista e hard-core descrente da reencarnação encontrou Shanti Devi e escreveu um pequeno livreto expressando suas dúvidas e se declarou contra o caso.
Em abril de 13,1936, ela foi hipnoticamente regrediu por Prof.Jagdish Mitra na presença de outras pessoas de destaque. Como resultado disto, alguns incidentes entre a morte de Lugdi eo nascimento de Shanty Devi veio à luz e estão disponíveis em um relatório da sessão hipnótica apresentada pelo Dr.Begg. Este relatório tem algumas características interessantes como a forma como Lugdi é levado para Deus e como ela é trazida de volta como Shanti Devi.
Conheci Shanti Devi, pela primeira vez em Fevereiro de 1986 e, em seguida, em dezembro de 1987, e entrevistou-a em detalhes sobre suas memórias de vidas passadas e suas recordações em Mathura.Também entrevistei seu irmão mais novo, Narain Mathur Viresh, que acompanhou a Mathura em sua primeira visita. Depois fui para Mathura e pediu a seus vários parentes para descrever quando Shanti Devi primeiro visitou com a idade de nove anos.
Eu também interrogou um amigo próximo de Kedarnath que me deu alguma informação explícita sobre a maneira Kedarnath ser convencido de que veio Shanti era na verdade sua esposa em sua vida passada.
A minha última entrevista com Shanti Devi foi de quatro dias antes de sua morte, em dezembro 27,1987, depois que ela se tornou uma lenda para sempre em uma anais de casos sugestivos de reencarnação.Ainda assim, como é verdade para todos os outros alegados casos de reencarnação, o caso de Shanti Devi também pode não ser infalível. É importante que as pessoas que investigam tais episódios deve estar totalmente familiarizado com os métodos científicos de research.There eram poucos deste tipo. Um deles foi o Dr. Indra Sen, que era um grande estudioso, bem como um investigador interessado. Em seu artigo apresentado ao Congresso Filosófico Índia, em 1938, no entanto, ele mencionou que ele não podia observar continuamente a menina e tinha que depender de outras pessoas para obter informações. Além disso, o caso de Shanti Devi tinha recebido tanta publicidade desde o início que era difícil determinar quais declarações eram dela e quais deles foram com base nas informações fornecidas, possivelmente, por outro, direta ou indiretamente. Por fim, como já foi mencionado anteriormente, existem algumas discrepâncias em suas declarações.
Ao mesmo tempo, nós também temos que ter em mente que Shanti nunca tinha ido a Mathura perante a comissão levou lá. Depois de chegar lá, ela reconheceu independentemente tantas relações de sua vida passada, um fato que não pode ser facilmente esquecido.
Algumas memórias dela foram revividas quando ela visitou os lugares familiares durante a sua visita. Por exemplo, durante a minha visita a Mathura, a irmã de Lugdi me informou que Shanti Devi disse a um número de mulheres sobre Lugdi tendo emprestou-lhes algum dinheiro, que eles aceitaram. Reações emocionais de Shanti na reunião parentes de sua vida anterior foram muito significativos. A maneira em que ela começou a chorar em atender os pais de sua vida passada moveu todos ali presentes. Os comitês mencionou em seu relatório que foi uma benção que as vidas passadas são esquecidos. Eles sentiram que, trazendo Shanti Devi para Mathura tinham tomado uma grande responsabilidade: ". E tivemos que separá-la à força dos pais que ela tinha na vida anterior"

Durante minhas investigações, um amigo de Kedarnath, 72-year-old Pandit Ramnath Choube me falou de um evento muito significativo, o que eu confirmei a partir de outras fontes.
Quando Kedarnath estava em Delhi para atender Shanty Devi, ele ficou na casa de Pandit Ramnath por uma noite. Cada um tinha ido para se aposentar, e só Kedarnath, sua esposa, seu filho e Navneet Shanti estavam na sala; Navneet estava dormindo. Kedarnath perguntou Shanti que quando ela estava sofrendo de artrite e não conseguia sequer levantar-se, como é que ela conceber uma criança. Shanti, apenas uma menina de nove anos, descreveu todo o processo de relação sexual com ele, o que deixou Kedarnath em nenhuma dúvida que Shanti era sua esposa Ludgi em sua vida anterior.
Quando eu mencionei esse incidente para Shanti Devi durante minhas entrevistas com ela, ela disse: "Sim, isso é o que o convenceu totalmente."
O caso de Shanti Devi é também significativa para o fato de que é um dos casos mais investigados, estudado por centenas de pesquisadores, críticos, estudiosos, santos e figuras públicas eminentes de todas as partes da Índia e no exterior a partir dos meados dos anos 1930 por diante.
Um crítico, Sture Lonnerstrand, quando ele ouviu falar deste caso, veio todo o caminho da Suécia para expor o "fake", como ele pensou que fosse, mas depois de uma prolongada investigação, escreveu: "Este é o único caso totalmente explicado e comprovado de reencarnação houve. "
Embora eu não concorde completamente com Lonnerstrand, eu fecho a minha história de Shanti Devi com as observações do Dr. Ian Stevenson, a principal autoridade sobre a reencarnação, que disse: "Eu também entrevistou Shanti Devi, seu pai, e outras testemunhas pertinentes, incluindo Kedarnath, o marido alegou, em sua vida anterior. Minha pesquisa indica que ela fez pelo menos 24 declarações de suas memórias que combinavam com os fatos verificados ".
Se não prova, certamente é fortemente sugestivo de reencarnação.

Leia mais

Shanti Devi - Um caso de Reencarnação





Shanti Devi nasceu em 1926, em Delhi.
Aos 3 anos começou a falar sobre seu marido e seus filhos. No inicio os pais gostaram pq acreditavam que ela via neles uma familia feliz, mas depois isso passou a preocupar os pais,
pois Shanti não brincava como as crianças de sua idade.
Sua mãe então lhe chamou para conversar, e a menina contou que o nome de seu marido era Kedarnath e morava em Mutra com seus filhos.

A garota foi levada ao médico, que garantiu que ela era normal, e falou q ela estava inventando histórias como outras crianças para chamar atenção.
Então o médico entrevistou a menina, que contou toda história com detalhes. Quando o médico questionou então pq ela era uma menina ela contou:
- Eu morri a, mais ou menos, 1 ano antes de nascer. Meu nome era Ludgi e eu morri dando a luz a outro filho. Shanti deu detalhes da gravidez difícil e contou que o filho sobreviveu ao parto. A menina tinha resposta para todas as perguntas do médico.

Depois disso seu tio resolveu investigar o caso e mandou uma carta para o endereço que a garota dizia, procurando por um homem chamado Kedarnath e que teria perdido a mulher em 1925.

Kedarnath existe mesmo e recebeu a carta. Assustado pediu a um primo que morava em Delhi para visitar Shanti e ver se aquilo tudo não era um golpe da família.
Chegando lá a garota reconheceu o primo do marido, conversaram, o primo de Kerdarnath confirmou toda a história da garota e ficou decidido que Kerdarnath e seus filhos iriam visitar Shanti em Delhi.

Quando chegaram lá, o filho de Kedarnath foi coberto de beijos pela garota e chamado pelos apelidos carinhosos que Ludgi chamava. Com Kedarnath, Shavi tratou ele como uma adulta, servindo a ele, como sua esposa submissa fazia. Kerdarnath chorou e foi consolado por Shavi com palavras que só Ludgi e ele conheciam.

O caso foi parar na imprensa e um grupo de cientistas e repórteres levaram Shanti até Mutra para ver se ela falava a verdade, ou se aquilo tudo era uma farsa para a imprensa.
Chegando em Mutra, Shanti reconheceu os pais de seu marido, e falou com eles no dialeto de Mutra, e não na lingua que ela aprendeu em Delhi. Depois ela indicou o caminho e levou os repórteres e cientistas até a antiga casa de Ludgi. Ela achou a casa, reconheceu ela, mas falou que qd ela era viva a casa era amarela e agora tinha sido pintada de branca.
Kerdarnath não morava mais ali, tinha se mudado com os filhos e os novos moradores não permitiram a entrada de Shavi na casa.

Depois ela foi visitar a mãe de Ludgi, a velha ficou muito assustada com a garota que falava como Ludgi e sabia de coisas que só a Ludgi sabia, lembrando até do seu próprio funeral.
Quando questionada sobre alguma mudança na casa da mãe, ela falou de um poço que não tinha mais nos fundos da casa. Escavaram o local e encontraram um poço que tinha sido fechado.

Kedarnath perguntou a Shanti sobre alguns anéis que Ludgi havia escondido, e ela falou que havia enterrado eles e algumas jóias no jardim de sua antiga casa.
A comissão de investigação encontrou as jóias no local indicado por Shanti.

Apesar de tudo, Shanti não podia assumir o papel de mãe de garotos mais velhos do que ela, e nem papel de esposa para Kedarnath, que sentia mais temor dela do que afeto, até pq não poderia sentir afeto por uma criança...

Shanti Devi viu que não podia viver em 2 mundos, e viver no passado seria mais difícil e doloroso do que viver no presente. Aceitando conselhos, com sofrimento, ela se afastou da família antiga em Mutra e viveu sua vida jovem em Delhi.

Em 1958 um repórter tentou reabrir o caso e encontrou Shanti levando uma vida discreta como funcionária pública em Delhi. Quando foi falar com ela, ela falou que não queria mais reviver o passado. Tinha sido difícil esquecer sua velha família e ela não queria mais sentir aquela dor.

Ficou provado que uma menina que nasceu em Delhi em 1926 sabia tudo da vida de uma mulher que morreu em 1925 em Mutra.






Leia mais...


Shanti Devi

Shanti Devi (Delhi, India, 11 de dezembro de 1926 - 27 de dezembro de 1987)[1] foi uma criança que relatou uma suposta vida anterior, que seria um caso de reencarnação.

 Histórico

Ainda criança, na década de 1930, ela começou a comentar lembranças detalhadas de uma suposta vida passada. De acordo com os relatos, quando ela tinha quatro anos de idade, disse a seus pais que a sua verdadeira casa ficava em Mathura, onde viveu com seu marido, a cerca de 145 milhas de sua casa atual, em Nova Deli. Desaprovada pelos pais, ela fugiu de casa aos seis anos de idade, tentando chegar a Mathura. De volta para casa, na escola, ela declarou que fora casada e morreu dez dias depois de ter dado à luz uma criança.
Entrevistada por seu professor e diretor, ela usou palavras do dialeto de Mathura e teria divulgado o nome de seu marido, o comerciante Kedar Nath. O diretor localizou um comerciante com esse nome, em Mathura, o qual perdeu sua esposa, que se chamava Lugdi Devi, nove anos antes, dez dias depois de ter dado à luz. Kedar Nath viajou para Delhi, fingindo ser seu próprio irmão, mas Shanti Devi o reconheceu. Ela sabia vários detalhes da vida de Kedar com sua esposa, conseguindo convencê-lo de que era realmente a reencarnação de Lugdi Devi.

Investigação

O caso foi levado ao conhecimento de Mahatma Gandhi, que estabeleceu uma comissão para investigá-lo. A comissão viajou com Shanti Devi a Mathura, chegando em 15 de novembro de 1935. Lá ela reconheceu vários membros da família, incluindo o avô de Lugdi Devi. Shanti também descobriu que Kedar tinha se esquecido de manter uma série de promessas que tinha feito para Lugdi em seu leito de morte.
Um relatório foi publicado em 1936, concluindo que Shanti Devi era de fato a reencarnação de Lugdi Devi. [1] Dois outros relatórios foram escritos na época, o primeiro foi uma crítica à suposta reencarnação[2] e o segundo foi uma réplica ao relatório anterior.[3] Um novo relatório, com base em entrevistas realizadas em 1936, foi publicado em 1952.[4] Mais tarde, Shanti foi entrevistada novamente e um autor sueco que a tinha visitado duas vezes publicou um livro sobre o caso, em 1994. A tradução em inglês surgiu em 1998.[5]
Shanti Devi não se casou. Ela contou a sua história mais uma vez no final da década de 1950 e ainda outra vez onze anos depois, em 1986, quando foi entrevistada por Ian Stevenson e KS Rawat. Também nessa entrevista, ela contou sua experiência de quase morte. Rawat continuou suas investigações e uma última entrevista aconteceu apenas quatro dias antes da morte de Shanti, em 27 de dezembro de 1987.[6]
Shanti Devi significa Deusa da Paz em sânscrito.

Referências

  1. Ir para cima K. S. Rawat, T. Rivas (July 2005), "The Life Beyond: Through the eyes of Children who Claim to Remember Previous Lives"The Journal of Religion and Psychical Research 28 (3): 126–136
  2. Ir para cima L. D. Gupta, N. R. Sharma, T. C. Mathur, An Inquiry into the Case of Shanti Devi, International Aryan League, Delhi, 1936
  3. Ir para cima Nahata, Bal Chand. Punarjanma Ki Paryyalochana. Calcutta: Buddiwadi Songh. (Undated.)
  4. Ir para cima Sen, Indra. "Shantidevi Further Investigated". Proceedings of the India Philosophical Congress. 1938
  5. Ir para cima Bose, Suskil C. A Case of Reincarnation, Calcutta: Satsang, 1952
  6. Ir para cima Sture Lönnerstrand, Shanti Devi: En berättelse om reinkarnation. Stockholm 1994. English translation: I Have Lived Before: The True Story of the Reincarnation of Shanti Devi, Ozark Mountain Publishing, 1998. ISBN 1-886940-03-7
  7. Ir para cima "After Life Death: fact or Fiction", 14 April 2002.






Moura Fé

Leia mais




                A maioria das pessoas considera a morte como ausência de vida. É difícil alguém se habituar a considerá-la como simples mudança de cenário da vida e não como o fim. Fique tranquilo: ninguém morreu. Não há morte. Há vida. Tudo é vida. Se temos algum ente querido que tenha feito a passagem, devemos o quanto antes deixar de lado as emoções que mais prendem o espírito do que o auxiliam a se adaptar a nova dimensão que se encontra. Nós, antes de um corpo, somos um espírito. O corpo morre, o espírito vive. O corpo é inanimado sem o espírito. O espírito ainda é vida sem o corpo. Aquiete-se, serene e tenha a fé de que sempre, em todas as circunstâncias, a vida não se extingue, mas se transfere e transforma a outros patamares energéticos.

https://www.facebook.com/nucleorenascimento/


Leia mais

CAUSA E EFEITO - Filme Espírita




CAUSA E EFEITO – Um filme de André Marouço, com Matheus Prestes, Luiz Serra e Rosi Campos.
Com lançamento previsto para 03 de Julho, o filme “Causa e Efeito” é um drama com temática espírita que conta a história de Paulo, um policial que tinha uma vida tranquila até que um motorista alcoolizado atropela e mata sua esposa e filho. O motorista não é preso e revoltado Paulo torna-se justiceiro. Contratado para dar fim a uma garota de programa chamada Madalena, ele se sensibiliza com a história dela e coloca-se em fuga com a moça. Na fuga, o casal se apaixona e juntos reajustam suas condutas de vida, auxiliados por um trio de religiosos: um padre, um pastor e um espírita. Ao longo da trama os protagonistas alcançam o amor, a paz e a iluminação.
O filme é mais uma parceria da produtora cearense Estação Luz Filmes com a paulista Mar Revolto Produções. Em 2011, as duas produtoras fizeram juntas O Filme dos Espíritos, longa que ganhou prêmio de melhor roteiro no Sesc Melhores Filmes.
A USE é um dos apoiadores desse projeto.


Leia mais

VOTE AQUI

Doutrina Espírita para Principiantes

Loading...
Loading...

Postagens Populares

Isto não é Espiritismo - Frases, Fotos e Luzes

Minha lista de blogs

POST POR ASSUNTOS

a (1) ABORTO (9) ADULTÉRIO (1) ALCOOLISMO (1) Allan Kardec (11) ALMA (2) ANENCEFALIA (5) ANIMAIS (4) ANIMISMO (5) ANJOS (2) ANOREXIA (1) ANSIEDADE (1) APARIÇÕES (4) Artigo (524) AS DORES DA ALMA (12) AS DORES DA ALMA;ORGULHO (1) ÁUDIO E VIDEO (2) BIOGRAFIA (12) BULLYING (2) CALUNIA (4) CÂNCER (1) CARÊNCIA (1) CARIDADE (14) CARNAVAL (4) CASAMENTO (6) CASOS (5) CATARINA DE SIENA (1) CENTRO ESPIRITA (3) CHACRA (1) CHICO XAVIER (243) CIRURGIAS ESPIRITUAIS (6) CIUMES (2) CLONAGEM (1) CONVIVER E MELHORAR (7) CREMAÇÃO (1) CRIANÇA INDIGOS (8) CRIANÇAS (8) CULPA (1) DEPRESSÃO (16) DIALOGO COM AS SOMBRAS (28) DIVALDO FRANCO (145) DIVORCIO (2) DOAÇÃO DE ORGÃOS (1) DOENÇAS (8) DORA INCONTRI (12) DOWNLOAD (5) DUENDES (1) EMMANUEL (67) ENTREVISTA (25) EQM (4) ESPIRITISMO (5) ESPIRITO (26) EUTANÁSIA (4) EVENTO (121) EXILADOS DE CAPELA (2) FAMILIA (26) FANATISMO (3) (2) FEIRA DO LIVRO ESPIRITA (11) FELICIDADE (5) FILHO ADOTIVO (6) FILHOS (22) FILME (36) FINADOS (4) FLUIDO (2) FOTOS (17) GUERRA (2) HOMOSSEXUALIDADE (20) HUMOR (4) INVEJA (2) Joana de Ângelis (100) JORGE HESSEN (24) JORGE HESSEN art (3) LIVRE ARBITRIO (4) LIVRO (57) LIVRO DOS ESPIRITOS (2) LUTO (2) MÃE (3) MÁGOA (5) MALEDICÊNCIA (2) MARILYN MONROE (1) MEDIUM (67) MEDIUNIDADE (83) MELANCOLIA (1) MELINDRE (4) MENSAGEM (375) MESA GIRANTE (2) MÔNICA DE CASTRO (8) MORTE (60) MOURA FÉ (63) MUSICA (6) NILZA AZEVEDO (10) NOTICIAS (236) OBSESSÂO (20) ORGULHO (3) PASCOA (2) PÁSCOA (3) PASSE (9) PEDOFILIA (2) PERDÃO (15) PERISPIRITO (6) PERSONAGEM DA BOA NOVA (6) PINTURA MEDIUNICA (4) POESIA (10) PRECONCEITO (22) PROVAS (13) PSICOGRAFIA (4) QUALIDADE NA PRATICA MEDIUNICA (10) RECOMEÇAR (2) REENCARNAÇÃO (37) REFLEXÃO (104) RELACIONAMENTO (35) RELIGIÃO (1) RENOVANDO ATITUDES (31) S (1) SEMESPI (17) SEXO (14) Síndrome de Down (1) Síndrome do Pânico (1) SOLIDÃO (2) SONAMBULISMO (4) SUICIDIO (11) TATUAGEM (1) TOLERANCIA (3) TÓXICOS (5) TRAGÉDIA (5) TRANSTORNO BIPOLAR (1) TRISTEZA (1) VAIDADE (2) VAMPIRISMO (5) VIAGEM ASTRAL / DESDOBRAMENTO (1) VIDEO (28) VINHA DE LUZ (3) VIOLENCIA (2) ZIBIA GASPARETTO (7)

Visitas Recentes